🌟 Melhore o seu campo desportivo com um auditoria especializada.

Deteção de doenças dos relvados IX. Acidovorax avenae

Imagem de Javier Méndez Lorente
Javier Méndez Lorente
Ver perfil

Partilhar no RRSS

Índice: Deteção de doenças dos relvados IX. Acidovorax avenae

Agrostis stolonifera L. é uma espécie popular de estação fria utilizada nas zonas de clima temperado para os greens dos campos de golfe. As tensões abióticas e bióticas são comuns durante os meses de verão e, por conseguinte, é necessária uma gestão intensiva para prevenir doenças e manter a qualidade da relva durante toda a estação de crescimento. Nos últimos anos, a etiolação bacteriana (causada por Acidovorax avenae y Xanthomonas translucens) tem surgido como uma preocupação crescente para muitos gestores de espaços verdes (Giordano et al. 2012; Roberts et al. 2014).

Etiologia da etiolação bacteriana

A etiolação bacteriana é uma doença que afecta uma vasta gama de plantas monocotiledóneas, especialmente gramíneas como os relvados. A doença caracteriza-se por ausência de cor verde nas folhas, caules e outras partes das plantas. Em vez de uma cor verde saudável, as plantas afectadas pela etiolação bacteriana podem ter tons amarelados, esbranquiçados ou mesmo transparentes. Caracterizam-se pelo alongamento e enfraquecimento dos caules e entrenós.

Agente causador da etiolação bacteriana

O agente causador da etiolação bacteriana nos relvados é a bactéria Acidovorax avenae subsp. avenae. Este membro Gram-negativo, aeróbico e não fluorescente das β-proteobactérias, da ordem Burkholderiales, foi diagnosticado pela primeira vez em relvados em 2010 através de ensaios de patogenicidade e da análise da sequência 16S rDNA.

Até essa data, as únicas bactérias patogénicas dignas de nota nos relvados são as do género Xanthomonas.

Sintomas de etiolação bacteriana em relvados

A etiolação bacteriana causada por Acidovorax avenae subsp. avenae em Agrostis é caracterizada por vários sintomas distintos:

Imagem 1. Sintomas de Aetiolação bacteriana em forma de folha.

Imagem 1. Sintomas de Aetiolação bacteriana em MSU1.
  • Começa como pequenas áreas (15 a 30cm) de textura irregular e que passam do verde natural para um amarelo pálido.
  • Alongamento dos entrenósAs partes infectadas da planta podem apresentar um crescimento alongado e fraco dos entrenós, resultando num aspeto anormalmente longo e delgado. A etilação é um processo em que as plantas se alongam anormalmente, separando os nós uns dos outros.
  • Fraqueza e murchidãoAs plantas infectadas podem mostrar sinais de fraqueza geral, com folhas murchas e um aspeto geral doentio.
  • Paragem do crescimentoA infeção bacteriana pode impedir o crescimento normal da planta, resultando num desenvolvimento lento e num aspeto atrofiado.
  • Morte da plantaEm casos graves de infeção, a planta pode morrer devido ao enfraquecimento geral causado pela bactéria.
Imagem 2. Fase inicial do projeto etiolação bacteriana.

Espécies mais susceptíveis

A espécie que se observou ser mais afetada é Agrostis stolonifera, tipicamente utilizados em greens de golfe e putting greens. No entanto, foram também detectados alguns surtos em Lolium perenne no Japão embora seja muito menos difundido neste último. Também foi demonstrada a sua capacidade de atacar Agrostis tenuis, P. annuae F. arundinacea em determinadas condições

Etiologia bacteriana: Ocorrência e dispersão

Aparência

O stress provoca um impacto importante e pode ser observado nas zonas do verde com muito tráfego. É nesta altura que a bactéria do Acidovorax avenae provoca um declínio que leva à perda de áreas de relva.

Dispersão

A dispersão do agente patogénico faz-se por salpicos de chuva e/ou vento, que transportam as plaquetas de exsudados bacterianos presentes nas folhas e é facilitada por pequenas feridas causadas pela fricção entre as folhas.

Factores que influenciam a emergência

  • Temperatura: A temperatura óptima para o crescimento situa-se entre 24°C e 35°C.
  • Stress: O stress da seca ou as deficiências nutricionais podem enfraquecer a relva e torná-la mais suscetível a doenças. A utilização de sondas de humidade pode ajudar-nos a monitorizar este fator de infeção.
  • Outros factores: Excesso de azoto, falta de luz solar, danos nas folhas, corte demasiado baixo abaixo de 2,6 mm, utilização incorrecta de reguladores de crescimento, tráfego excessivo.

Controlo de doenças

As opções de controlo das infecções bacterianas nos relvados são extremamente limitadas e a procura de novos métodos de controlo é um tema de interesse atual. Em particular, está a ser desenvolvida investigação sobre a utilização de Acilbenzolar-S-metilo (ASM)um análogo sintético do ácido salicílico (SA)

Experiências em ambientes controlados com oxitetraciclina y sulfato de estreptomicina reduziu significativamente os sintomas de declínio bacteriano quando as plantas foram pré-tratadas como suspensões de pulverização foliar antes da inoculação com as bactérias.

No entanto, a aplicação de sulfato de amónio e de reguladores de crescimento como o Trinexapac-ethyl (TE) aumenta significativamente os sintomas.

Um diagnóstico precoce e exato pode levar a recomendações de gestão adequadas e evitar tratamentos fungicidas desnecessários e ineficazes (Sundin et al. 2016). Embora ainda não tenha sido desenvolvida uma opção de gestão eficaz, o diagnóstico precoce pode evitar o diagnóstico incorreto de uma doença fúngica e, assim, evitar a utilização incorrecta de fungicidas.

Análise e diagnóstico da etiolação bacteriana

Os sintomas iniciais podem ser confundidos com outras doenças ou condições dos relvados de agrostis, tornando o diagnóstico do problema muito complexo. Os danos causados por esta doença são muito graves em greens muito bem mantidos devido ao stress ou ao tráfego provocado pelo corte frequente, pela gradagem ou pela aplicação de topdressing.

Reação em cadeia da polimerase quantitativa em tempo real (qPCR) tem sido amplamente utilizada na deteção e quantificação de agentes patogénicos para as plantas (Lopez et al. 2010; Pritchard et al. 2012b; Wang et al. 2015). A capacidade de amplificar rapidamente e detetar com sensibilidade o ADN de agentes patogénicos por PCR em tempo real permite que os técnicos forneçam resultados de diagnóstico definitivos no prazo de um dia (Schena et al. 2004).

Imagem 3. Resultado do teste qPCR, positivo para Acidovorax avenaecausando a etiolação bacteriana.
Imagem 4. Agrostis infetada por Acidovorax avenae ao microscópio.

Fonte: Giordano, P. R., Chaves, A. M., Mitkowski, N. A., e Vargas, J. M., Jr. 2012. Identificação, caraterização e distribuição de Acidovorax avenae subsp. avenae associada à etiolação e declínio de creeping bentgrass. Plant Dis. 96:1736-1742.

Fonte: Netsu, O., Komatsu, K., Yoshimura, T. et al. Primeira notificação de risca castanha em azevém perene (Lolium perenne L.) causada por Acidovorax avenaeJ Gen Plant Pathol 88, 399-404 (2022). 

Se já leu Deteção de doenças dos relvados IX. Acidovorax avenae poderá estar interessado em...

Outros artigos de Javier Méndez Lorente:

Não encontrou o que estava à procura?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comentários recentes
pt_PTPortuguês

Contacto connosco

Olá! Tem alguma pergunta ou dúvida?

Por favor, preencha o seguinte formulário para que o possamos ajudar o mais rapidamente possível, muito obrigado.

Pode também contactar-nos através das seguintes ligações:

Olá! Já está connosco há algum tempo e ....

em villareal tiloom field

Agradecemos o seu interesse por nós, por isso deixamos-lhe este formulário para que possa inscrever-se e ter acesso prioritário para o nosso promoções e ofertas exclusivasideal para poupar dinheiro nas suas compras e manter a sua os domínios desportivo e agrícola na vanguarda!

Além disso, mantê-lo-emos informado sobre os NOTÍCIAS MAIS RECENTES em Verdes e Agricultura com as últimas entradas do nosso Greenkeepedia e Agrikipediaincluindo inovações, eventos e entrevistas com especialistas.

Clique para subscrever agora e obter acesso exclusivo!